terça-feira, 30 de junho de 2009

DIÁRIO,27 DE JUNHO DE 2009.SÁBADO,18:30HS


Eu quase consigo distinguir o desespero da minha mente para o desespero no meu peito.
A TPM pode ter uma grande influência em minhas emoções...Mas tem hora que eu acho que não vou aguentar mais.
Saber que se é forte não é o bastante.Saber usar a própria força na hora do desespero requer muita boa vontade.
É difícil se manter do seu lado quando o que você mais deseja é sair correndo.O desespero deve ser o ápice do medo,ou o medo em seu total funcionamento.
Quando eu estou desesperada como ontem,eu não consigo acreditar em nada,confiar em nada,por mais que algum arquivo na minha mente guarde uma pasta de suporte para essas horas...Nesse momento eu só quero sair de mim,fugir à responsabilidade,me jogar nas mãos de alguém e não ter mais que cuidar de mim.
Se for regra que todo efeito tem uma causa,eu já consegui encontrar a causa de tanto tormento...O que considero um progresso!
Eu simplesmente me dei conta de que não controlo nada,e que a vida não faz o que eu quero quase sempre.
Eu não posso controlar minha dor física,não posso controlar minhas emoções,nem meus pensamentos,nem meus hábitos,nem minha rotina ou a falta dela.Não posso controlar o funcionamento dos meus órgãos,nem meus sentimentos.Não posso controlar o amanhã,o daqui a pouco.Não posso controlar o inevitável,o inesperado.Não posso controlar as pessoas que amo,nem as que adquiri repugnância.Não posso controlar meu guia,nem força alguma da natureza.
Como tudo foge ao meu controle,eu fico insegura e entro em desespero.
Como eu tenho uma cabeça bem ruim,eu não sou flexível e considero tudo ao extremo,ao radical.
O 8 ou 80 faz parte do meu cotidiano,e isso tem sido absolutamente nocivo,principalmente para o meu organismo.
Quando não estou com diarréia,eu quase não consigo cagar de tão ressecada que fico.Sou "extrema" até na difestão.
E no meu desespero eu me pergunto quando isso vai acabar.Pior...Eu me pergunto quando não vou precisar mais me preocupar comigo,mas eu passei a vida toda sem olhar pra mim né.
Num pensamento extremo,dá vontade de voltar atrás e não saber das coisas que eu sei hoje.O ignorante é imunizado plea vida.
Eu pareço uma criança debaixo do lençol,com medo do monstro do armário,com uma lanterna acesa...
HOJE JÁ É DIA 30/06...A TPM PASSOU.
Dá vontade de ficar parado,sem fazer nada,só assistindo o que se tem pra assistir!

MINHA RELAÇÃO COM MICHAEL JACKSON



Eu nasci em 1982...Ano em que nasceu "Thriller".
Eu lembro de ainda ser bebê,e me ver dançando as músicas do Michael,em cima da cama da minha mãe.
Eu tinha uma jaqueta vermelha,parecida com a que ele usa no clipe "Beat It",e usava uma toca na cabeça,e luvinhas...
Minha mãe disse que eu tinha só dois anos de idade.Minha tia também lembra de me ver dançando Michael.
Eu amava assistir ao clipe "Thriller",só até a parte que ele acorda ela,e começa aquela risada do demônio...
Eu apertava as mãozinhas nas orelhas,e mesmo assim,lá no fundo,eu ouvia a risada que me apavorava!
Até uns anos atrás,eu tinha medo de assistir o clipe até o final,e lembro até de uma amiga,junto com a família dela,rir da minha cara por conta disso!
"Beat It" é que era o clipe que eu verdadeiramente amava.O som das portas abrindo,aquelas gangues,depois todo mundo dançando.
Eu tinha (porque joguei fora...) várias agendas e diários declarando meu amor pelo Michael.Isso foi durante toda a minha infância e começo da adolescência.
Quando ele veio pro Brasil,acho que em 1993,eu escrevi uma carta pra ele,dizendo o quanto eu o amava,e eu tinha certeza que ficaríamos juntos um dia!
Kkkkkkkkkkkkkkkkk...Eu deixei essa carta no portão de casa,na esperaça de que Deus entregasse essa carta nas mãos dele...
Rsrs...Quem achou?O povo da minha família...Foi gozação o resto do dia,semanas,meses...
Depois de adulta,eu até queria comprar DVD,CDs dele,mas estava "bombando" a história de que ele era pedófilo,o que pra mim foi uma decepção...
Eu disse que não compraria nada dele porque não sustentaria um pedófilo!
Não porque ele morreu,mas,agora eu me pergunto:Até que ponto essas histórias são verdade???
A única coisa que fico satisfeita e feliz nessa história toda,é que nasci na época do "monstro",que pude acompanhar com toda paixão,a melhor época da vida dele!
Eu acho que jamais vou me enjoar de ouvir "Thriller","Beat It","Billie Jean",e outras antigas.
É triste saber que o maior astro do pop mundial morreu,que o primeiro cantor que eu amei na minha vida morreu,mas é mais triste ter assistido a queda do astro,ter sabido que ele não era feliz...
Que ele tente tornar a vida dele mais feliz agora,sempre é tempo.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

"MULHER:SER HUMANO DO SEXO FEMININO"



A minha primeira menstruação veio quando eu tinha treze anos.Dois anos depois eu comecei a ter cólicas,todos os meses.Tenho cólicas até hoje,e detesto o gosto dos remédios.De acordo com a Linguagem do Corpo(Cristina Cairo),a mulher que tem problemas no útero tem problemas com o pai,porquê útero é homem.Então,se essa mulher quer se "curar",ela precisa perdoar o pai.Pra quem não sabe,a Cristina estuda os meios psicossomáticos que causam algum desconforto no corpo.Eu nem duvido do que ela diz sobre isso porque,como muitos amigos meus sabem,o meu pai não era presente.Mal sustentava os próprios filhos,e acho que ele achava que fazia demais.Mas ele mesmo cansava de dizer:"Eu não tinha nada,eles não vão morrer se não tiver isso ou aquilo." O meu pai traía minha mãe há muitos anos,e logo que descobrimos isso,eu fiquei bem puta,apesar de ter só nove anos de idade...Eu nem falava sobre ele,e me recusava a chamá-lo de pai.
Quando eu cresci,eu entendi que minha mãe não era uma santa,mas humana,que tem falhas assim como o meu pai.E que um falhou com o outro e essa questão era um problema dos dois,somente.
Quando eu tinha dezoito anos,eu entendi o meu pai,e eu é que pedi perdão a ele.Hoje eu acredito que eu não tenha mágoas dele (eu confesso que me revolta saber que ele está morto mas ainda está com a minha mãe...).Eu não sei,pode ser que eu tenha mágoas...Mas acho que não seria do que passou!E esse pode ser um dos motivos que me faz ter cólicas menstruais todo mês.Eu já percebi,no decorrer desses anos,que quando eu tô mais "relax",quando eu estou com a cabeça fria,a cólica é menor,e já aconteceu d'eu não ter cílica alguma.
No âmbito metafísico (como diz Valcapelli),os problemas menstruais são causados por um grau de rejeição da feminilidade.Eu confesso que quando eu li isso eu não entendi direito o que o Val e o Gaspa quiseram dizer.Mas esses dias eu fui me olhar no espelho e uma "luz brilhou no fim do túnel".Nada contra o meu corpo,eu até gosto muito dele,e mesmo que eu tivesse o maior dinheiro do mundo eu não mudaria nada.Ocorreu que eu não gostei de me ver de calcinha.Eu me senti suja.E já não foi uma nem duas vezes que eu senti nojo dos meus seios.Eu me achava anormal até saber que minha irmã também tinha isso.Como eu posso explicar isso de forma fácil de se entender?Meu,acho que não dá!Eu não gosto de olhar muito para os meus seios,eu sinto nojo,repugnância,e acho que se fossem grandes eu já tinha arrancado na faca...Eu acredito que exista mais mulheres assim,é que elas não falam pra não serem taxadas como loucas.Isso não tem nada a ver com lesbianismo.Até onde eu sei,eu gosto e me sinto bem com homens...É como se a minha feminilidade fosse inadequada pra mim.
Os seios são o marketing da mulher né,o ponto feminino máximo.E olhando por esse ângulo,a repulsa faz sentido.Eu não sei até que ponto uma mãe,a presença da mãe,a figura de mãe pode influenciar na vida de um filho,mas veja:Minha mãe nunca foi vaidosa,no sentido de se maquear,cuidar dos cabelos,pele,etc...Minha mãe não é o tipo exuberante,"cigana",que usa pulseiras,colares,anéis,óculos escuros,decotes,ou qualquer coisa que seja mais ousada numa mulher.É pacata,e de uns tempos pra cá está pior.Quando eu e a Mileide (minha irmã mais velha) fala de sexo em casa,e eu desço mesmo o nível,nós duas nos sentimos mal,porque ela faz caras e bocas de que não aprova o que a gente fala.É como se ela fosse uma freira,um padre,sei lá!Como ela fez quatro filhos cacete?Aprendi sobre a sexualidade com o mundo,sobre menstruação com o mundo e quando "desceu" pra mim pela primeira vez,eu não fazia idéia do que era aquilo,achei que tivesse cagado nas calças.Ela nunca me falou sobre relacionamentos,sobre amor,sobre nada,em suma!
A minha menstruação veio quando eu ainda brincava,e eu era/sou molecona,e aquilo passou a ser um pesadelo na minha vida.Nós aqui de casa já percebemos que ser mulher é inadequado,já que moramos com o próprio Jesus Cristo (que é a minha mãe).E é engraçado que ela fez três filhas...Talvez foi uma forma da vida fazê-la enxergar a própria feminilidade.
Eu tenho certeza que minha mãe acha eu e a Mileide vulgares...Mas,caramba,já que ela é tão santa,não deveria ter esse tipo de sentimentos pelas próprias filhas...
Esquecendo minha mãe,e lembrando só de mim,agora eu entendo os vários motivos das minhas cólicas,e estou tentando melhorar isso pra mim né.
Eu tenho consciência que me rejeito como mulher,que algumas vezes eu não aprovo minhas atitudes,porque ouço o eco da voz da "dona Rosa híper-moralista" dentro da minha cabeça,reprovando minha maneira de ser.
Eu não posso mudar ela,mas a mim.Se ela não fez nem por ela mesma,estou eu aqui hoje pra fazer pra mim.Eu sou SIM adequada dessa maneira,e sou ótima como sou!

A REALIDADE NÃO É CRUEL...EU É QUE SONHEI DEMAIS!


Eu não sei de onde começou isso,eu não lembro e talvez eu tenha trazido comigo de outra vida...Eu só sei que eu prefiro estar na imaginação,na ilusão,nas expectativas,em fantasias que eu crio,do que pisar no real...
Como a realidade não é nada daquilo que eu idealizei como certo pra mim,então eu continuo alimentando meus sonhos.
Talvez esse "potencial imaginativo" exista em mim para que eu o use escrevendo livros.Nada do que eu imaginei pra mim,pra minha vida,aconteceu.E mesmo assim eu continuo insistindo!Se eu der vazão a minha imaginação,eu vou longe.Eu vivo e me alimento mais do que não existe e nunca vai existir do que o que eu experimento.Não é porque eu encaro a realidade como cruel,mas o que eu imagino tem mais brilho e mais vida pra mim.Eu assumo que eu me divirto,e me empolgo mais com minhas ilusões,do que com minhas experiências.Eu tenho consciência do quanto isso é nocivo pra mim,eu paguei e estou pagando um preço por alimentar sonhos a vida toda.Os anos vão passando,e a minha vida praticamente continua a mesma.Vou fazer vinte e sete anos,daqui há alguns dias,mas às vezes me sinto como uma criança de cinco.Desde ontem,uma frase/mensagem não me sai da cabeça:"Sabe porquê você nunca vai ter o que deseja?Porque você não sabe ser feliz com o que você têm!",ouvia o Gaspa na Mundial.Tudo o que ele disse ontem se encaixa perfeitamente comigo.Eu espero demais da vida,eu espero demais das pessoas,das datas,das consequências do que faço.Eu vivo mais de expectativas do que de vivências.Eu não sei ser feliz com o que tenho,porque eu acho que não tenho nada,que minha vida é sem graça e sem cor!Eu tenho inveja de quase todo mundo e de toda vida...Eu sou bem consciente de tudo isso,mas pôr essa "revolução" na prática não é tão simples quanto parece.O fato de eu saber que meu procedimento não funciona e que preciso mudar já é muita coisa.É nesses momentos que temos noção do quanto a nossa cabeça é ruim,mal educada,e limita-se.Eu tenho decepções constantes.Em cima de um fato,eu monto um castelo encantado,onde tudo funciona como eu considero certo e o que me faria feliz...
Depois,inexoravelmente,a realidade bate à minha porta,demore o tempo que for,e acabo me frustrando...
Quando isso vai acabar?Quando eu tomar vergonha na cara,e pôr uma disciplina nessa minha cabeça ruim.Ou no dia que eu me cansar de tanto me frustrar...

domingo, 21 de junho de 2009

ATÉ QUE PONTO O POBRE É POBRE MESMO?





Tem lá no livro "Faça Dar Certo" do Gaspa:"Nós podemos rapidamente definir uma pessoa rica como aquela que tem posses materiais e vive bem;a pobre vive uma experiência oposta.E isso não é mentira,não.Mas existe algo além dessa definição corriqueira.Eu diria que o pobre é pobre mesmo porque pensa pobre.Seu universo mental é pobre,mesquinho.As qualidades de seus pensamentos são pobres.Pobre na generosidade,no amor,no afeto,na confiança e na força.Acreditam na carência e na limitação.Subestimam-se,não tem consciência de seu próprio valor,de seus dons e talentos.Pobre é,também,pobre de espírito,pois nega-se como parte do Poder Universal e não enxerga como oportunidades as situações que a vida lhe apresenta.Ser pobre é não enxergar o próprio valor,é não usar o próprio potencial,é não aproveitar as oportunidades na vida para desenvolver os talentos pessoais."
Lendo isso,junto com minha experiência de vida,eu só posso chegar a uma conclusão:O pobre é pobre porque quer,e não tem vontade de melhorar de vida!
Antes que alguém pense:"Mas como você pode julgar sem saber?",eu quero dizer que eu moro numa favela,desde que nasci,e tenho pra mim que o pobre é pobre pelas perspectivas de vida(ou falta delas),e não pela condição financeira em si.
Qual é a preocupação do homem pobre?Trabalhar a semana toda,louco pra chegar logo o final de semana pra ele se "acabar" na cachaça,ouvir aqueles forrós com letras de uma qualidade que prefiro não comentar,olhar a bunda da mulher do vizinho,e torcer pelo "timão".
Qual é a preocupação da mulher pobre?Fofocar e invejar a a vida da vizinha,que tá na bosta tanto quanto ela,"correr" pra fazer a janta pro maridão,que chifra ela pra caralho;descontar nos filhos toda a revolta de seu casamento.
Qual é a preocupação do adolescente pobre?Os meninos,é qual o tamanho da "carreirinha" de "farinha" que ele vai cheirar hoje e ficar o dia todo na rua preocupado com os "hômi" (polícia).As meninas,é engravidar o mais cedo possível,pra montar seu castelinho em cima do barraco da mãe,e acabar de vez com a sua vida.
Qual é a preocupação da criança pobre?A criança já quer viver vida de adulto,vícios de adulto,assim como fumar maconha na rua,como eu já vi...
Qual é a perspectiva de vida dessas pessoas?Eu não sei,já parei pra perguntar para eles mesmos,e a maioria parece estar feliz como está.
Uma minoria,no qual faço parte,bem menor mesmo,faz planos para mudar de vida,pensa de forma diferente,sabe que precisa mudar a si mesmo.
Eu tenho consciência de que se ainda estou aqui,ainda penso e/ou acredito na pobreza,em alguma coisa relacionada a ela.
Entendo hoje que eu sou 100% responsável por mim,e por isso,não responsabilizo o governo pela moradia,nem os traficantes,pelos drogados,nem os bares,pelos alcoólotras ,nem falta de informação como responsável pela reproduçãoi de crianças...
Temos muita informação.Só acho que o pobre é pobre porque não conheceu a riqueza e não pode desejar aquilo que ele não conhece.Nem no mundão lá fora,nem em seu mundo interno.
Eu tenho consciência de nossas capacidades,mas quando tento fazê-los enxergar,eles não acreditam!
"O sucesso não é social,mas individual",e agora consciente disso,eu sei que eu vou prosperar e que,mesmo que eu queira que todos aqui prosperem como eu,eu não posso arrastá-los comigo.
Mas,agora eu confio na vida,e eu sei que eles também vão chegar lá!
O pobre,jamais vai deixar de ser pobre,enquanto pensar e acreditar como pobre!